a partir das 21h

Grupo Especial desfila hoje com
Ivete, indígenas e clássicos da literatura

Imperatriz Leopoldinense, foco da crítica, será a terceira escola a desfilar

26 FEV 2017 Por AGÊNCIA BRASIL 12h:18
Ensaio da Imperatriz Leopoldinense, que teve samba-enredo criticado por setores do agronegócio Ensaio da Imperatriz Leopoldinense, que teve samba-enredo criticado por setores do agronegócio

O desfile das escolas de samba do Grupo Especial do Rio de Janeiro começa hoje com dois enredos que deram o que falar no pré-carnaval.

Entre os destaques da noite estão a Grande Rio, que trará a cantora Ivete Sangalo no segundo desfile da Sapucaí, e em seguida, a Imperatriz Leopoldinense desfila com lideranças indígenas e críticas ao agronegócio. Salgueiro e Beija-Flor encerram a primeira noite com clássicos da literatura.

A primeira escola a entrar no sambódromo, às 22h (de Brasília),  é a Paraíso do Tuiuti, que retoma a ideia da antropofagia para falar sobre a cultura brasileira, destacando seu poder de criar originalidade a partir das imposições e influências externas.

O enredo fala da formação cultural do país até chegar ao tropicalismo e sua contribuição para o carnaval.

Às 23h25 (de Brasília), começa a estreia de Ivete Sangalo no carnaval do sambódromo, com o desfile da Grande Rio. Recheada de famosos, a escola vai contar trajetória da baiana de Juazeiro, que arrasta multidões no carnaval da Bahia e emplacou sucessos musicais que há anos animam festas em todo o país.

CRÍTICAS AO AGRONEGÓCIO

O terceiro desfile trará o clamor dos povos indígenas por preservação para a avenida, com a Imperatriz Leopoldinense, à 0h50 (de Brasília).

A escola parte do Xingu para contar a história de extermínio dos povos indígenas que viviam no Brasil e chegar até as ameaças atuais às tribos e suas terras. O enredo causou indignação em representantes do agronegócio, que se manifestaram contra a escolha da escola.

A Vila Isabel dá sequência aos desfiles com o enredo O Som da Cor, que vai celebrar os frutos da cultura musical negra no continente americano.

Seja no Brasil, no Caribe ou nos Estados Unidos, ritmos nasceram e se misturaram com o protagonismo de compositores e cantores afrodescendentes e a escola vai homenagear o blues, o funk, o soul, o hip hop e destacar o samba.

Às 3h40 (de Brasília), o Salgueiro leva para a avenida a Divina Comédia do Carnaval, com uma releitura da famosa obra de Dante Alighieri. Como no livro, a escola faz um percurso pelo inferno, o purgatório e o céu, homenageando grandes nomes do carnaval pelo caminho.

O desfile da Beija-Flor de Nilópolis, às 4h50 ​(de Brasília), encerra a primeira noite com “Iracema, a virgem dos lábios de mel”. O clássico de José de Alencar será recontado em alegorias e alas pela escola, que vai chamar a atenção para a raiz indígena do povo brasileiro.

Mais seis escolas desfilam na segunda-feira, também a partir das 22h (de Brasília), e a campeã do carnaval carioca será conhecida na quarta-feira, com a apuração das notas dos jurados: 22h ​(de Brasília) - União da Ilha; 23h25 (de Brasília) - São Clemente; 00h50 (de Brasília) - Mocidade; 2h15 ​(de Brasília) - Unidos da Tijuca; 3h40 (de Brasília) - Portela; e 4h50 (de Brasília) - Mangueira.

VEJA O ENSAIO DA IMPERATRIZ LEOPOLDINENSE

SAMBA-ENREDO 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Voltar
©2017 Correio do Estado S/A. Todos os Direitos Reservados.
Plataforma
Versão Clássica