Correio Rural

Pequenos frigoríficos terão
incentivo em Mato Grosso do Sul

Ministério da Agricultura iniciou um levantamento de plantas fechadas em todo o País

12 JUN 2017 Por Renata Prandini 08h:06
Em Mato Grosso do Sul, são oito plantas de abate de bovinos da JBS, das quais sete estão em operação Em Mato Grosso do Sul, são oito plantas de abate de bovinos da JBS, das quais sete estão em operação

Depois de mais um escândalo envolvendo a companhia JBS, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, saiu em defesa dos pequenos frigoríficos. No seminário “A Força do Campo”, realizado em Cuiabá (MT), na semana passada, o ministro anunciou que busca alternativas para “tentar convencer” bancos oficiais como o próprio Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para financiar novos players. 

De acordo com ele, o comportamento do banco em relação à companhia dos irmãos Wesley e Joesley Batista ajudou a gerar essa concentração do mercado nas mãos do grupo e o desaparecimento de outras empresas. Segundo investigações da operação Lava Jato, de 2007 a 2011, o BNDES desembolsou R$ 8,1 bilhões para a JBS. O prejuízo estimado para o banco é de R$ 1,2 bilhão, aproximadamente. “Foi um erro do passado, quando o BNDES praticamente deu dinheiro para extinguir com os pequenos em detrimento de um ou dois grandes. Foi um erro e estamos pagando um preço gigante por ele agora”, disparou.

O grupo é responsável pelas sete maiores plantas frigoríficas, das 30 existentes no Estado, e corresponde a quase 50% da capacidade de abates. No primeiro quadrimestre do ano, o Estado havia abatido 1,012 milhão de cabeças. Deste total, 443,422 mil foram abatidos nas unidades do grupo.Esse volume era ainda maior, mas em fevereiro deste ano a JBS fechou a planta de Coxim.

Reportagem completa está na edição de hoje do Correio Rural. Clique aqui para acessar.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Voltar
©2017 Correio do Estado S/A. Todos os Direitos Reservados.
Plataforma
Versão Clássica