Correio Rural

Novo capim Ipyporã é tido como
o reinício para as braquiárias

Nova forrageira é desenvolvida a partir da ruziziensis e brizantha

13 MAR 2017 Por Da Redação 06h:30
A nova forrageira é fruto de pesquisas de muitos anos a partir de outras duas importantes braquiárias A nova forrageira é fruto de pesquisas de muitos anos a partir de outras duas importantes braquiárias

Na edição passada tratamos de um novo capim, o BRS  Quê­nia, apresentado na Dinapec 2017 encerrada na quarta-feira. Mas também durante a Dinâmica Pecuária, na Embrapa Gado de Corte, uma outra variedade importante de capim.

Ipyporã na língua guarani significa “belo começo” e essa é a intenção da equipe de pesquisadores da Embrapa ao desenvolver o primeiro híbrido de braquiária da empresa, a BRS RB331 Ipyporã. A cultivar é resultado do cruzamento de Brachiaria ruziziensis (R) com Brachiaria brizantha (B) e reúne as melhores características de cada uma delas, na opinião dos envolvidos na criação do material e que a consideram um novo início para as pesquisas em melhoramento de braquiárias no País. 

“A cultivar apresenta a excelente resistência a cigarrinhas de uma B. brizantha e o alto valor nutritivo da B. ruziziensis”, revela a melhorista da Embrapa, Cacilda Borges do Valle. O material é aproximadamente 13% melhor em qualidade nutricional que o capim mais utilizado no Brasil, o Marandu, e isso proporciona um ganho de peso por animal maior, ao redor de 17%. Ela ressalta ainda o fato de ser o primeiro híbrido de braquiária desenvolvido pela Embrapa em parceria com a Associação para o Fomento à Pesquisa de Forrageiras (Unipasto), fortalecendo o Brasil como o único País que faz melhoramento genético do gênero.

Reportagem completa está na edição de hoje do Correio Rural. Clique aqui para acessar.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Voltar
©2017 Correio do Estado S/A. Todos os Direitos Reservados.
Plataforma
Versão Clássica