CORREIO RURAL

Ministério da Agricultura credencia laboratórios para diagnóstico de mormo

Antes, material era enviado para outros estados

2 MAR 2017 Por ROSANA SIQUEIRA 16h:11
Mormo é doença que atinge cavalos Mormo é doença que atinge cavalos

O Ministério da Agricultura credenciou no dia 24 de fevereiro dois laboratórios para diagnóstico de mormo em cavalos no Estado. Desde maio de 2015, por meio da portaria Iagro n° 3334 para o trânsito de equídeos em Mato Grosso do Sul, é obrigatória a apresentação de exame negativo para mormo, cuja colheita de material deve ser realizada por médico veterinário autônomo, cadastrado junto à SFA-MAPA, e o material encaminhado aos laboratórios credenciados pelo Ministério da Agricultura. 

Até então, Mato Grosso do Sul, não tinha nenhum laboratório credenciado. Isso acarretava no envio do material para outros estados da federação, o que além de tornar o trâmite demorado, já que o resultado sai com aproximadamente 10 dias, também onerava o custo para o criador que precisa realizar o exame no animal a cada 60 dias. Os laboratórios podem ser consultados no site do Iagro no www.iagro.ms.gov.br/programa-nacional-de-sanidade-dos-equideos-pnse/ 

SOBRE O MORMO

O mormo é uma doença infectocontagiosa grave que acomete os equídeos (equinos, asininos e muares), mas que pode acometer outras espécies de maneira acidental, como o homem (zoonose), carnívoros e pequenos ruminantes.  A doença é causada pela bactéria Burkholderia mallei, que ocasiona alta taxa de mortalidade nos equídeos e é fatal no homem. Os sinais clínicos mais frequentes são: febre, tosse e corrimento nasal. A doença pode se manifestar na forma aguda ou crônica, sendo que a forma crônica, geralmente, ocorre em equinos e a forma aguda em muares e asininos. Em equídeos os sinais são classificados em três categorias: nasal, pulmonar e cutânea.

A principal via de infecção é a digestiva, podendo ocorrer também pelas vias respiratórias, genital e cutânea. Animais infectados e portadores assintomáticos são importantes fontes de infecção. 

A disseminação do agente no ambiente ocorre pela água, alimentos (forragens, melaço) e fômites (bebedouros, cochos, equipamentos de montaria compartilhados). A mosca doméstica também pode contribuir para a disseminação da bactéria.

Leia mais notícias em nosso suplemento Correio Rural, clicando aqui.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Voltar
©2017 Correio do Estado S/A. Todos os Direitos Reservados.
Plataforma
Versão Clássica