bolívia

Fazenda de brasileiro era usada
como laboratório de refino de coca

Tardelli, que teve a propriedade confiscada, teria dado apoio a PCC

14 ABR 2017 Por DA REDAÇÃO 08h:00
Área da fazenda era usada por traficantes para o refino de cocaína enviada ao Brasil Área da fazenda era usada por traficantes para o refino de cocaína enviada ao Brasil

A fazenda do brasileiro Mariano Tardelli, suspeito de planejar o roubo de 1,3 milhão de dólares de um carro-forte na Bolívia, era usada como laboratório de refino de cocaína.

De lá, o entorpecente era enviado para outros traficantes, distribuidores no Brasil. Pelo menos é o que afirmou o peruano Pablo Rolando Guzmán de la Cruz, preso por envolvimento no assalto. 

A propriedade de Tardelli, localizada na zona rural de Santa Ana de Chiquitos, a menos de 100 quilômetros de Corumbá, foi confiscada pela justiça por ter sido utilizada como refúgio por pelo menos nove dos 12 suspeitos de envolvimento no assalto.

Um barraco aos fundos da propriedade era destinado às atividades de refino de cocaína adquirida na própria Bolívia.

De acordo com o jornal boliviano “El Deber”, o peruano Pablo Guzmán detalhou em depoimento que arrendou a propriedade para processar cocaína usando produtos químicos importados ilegalmente do Brasil. 

*Leia reportagem, de Renan Nucci, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Voltar
©2017 Correio do Estado S/A. Todos os Direitos Reservados.
Plataforma
Versão Clássica