ESTÁ MELHOR

Ponte quebrada contribuiu para
empresária perder-se por 2 dias

Thais Valadares foi localizada a 30 km de rodovia e a 10 km de sede de fazenda

17 JUN 2017 Por RODOLFO CÉSAR E BÁRBARA CAVALCANTI 10h:58
Equipe dos Bombeiros que trabalhou na operação de resgate da empresária Equipe dos Bombeiros que trabalhou na operação de resgate da empresária

O caminho tradicional obstruído, com a queda de uma ponte, fez com que Thais Regina Souza Valadares, de 39 anos, passasse por dois dias de desespero na zona rural de Sidrolândia. A empresária ficou perdida entre o começo da noite de quarta-feira (14) até às 18h de sexta (16).

Ela foi encontrada por integrantes de força-tarefa integrada por Bombeiros, Polícias Militar, Civil ontem à noite. Estava em meio a uma plantação de milho, a 30 quilômetros do asfalto e a 10 quilômetros da sede de uma fazenda que fica no município de Sidrolândia.

Debilitada por não ter comido ou bebido água durante quase dois dias, quando os bombeiros a localizaram, a empresária estava em choque, desorientada e chegou a repelir a equipe. A abordagem precisou ser feita com cautela e só depois de conversa que ela aceitou a aproximação dos militares.

Essa situação foi descrita pelo tenente do Corpo de Bombeiros Antônio Marcos Francelino, que liderou as buscas. Ele falou com a imprensa hoje pela manhã na base da corporação no bairro Coronel Antonino, em Campo Grande.

Thais Valadares em foto de arquivo pessoal. Foto: Divulgação

Thais saiu da Capital por volta das 16h de quarta, passou em um supermercado em Sidrolândia e pretendia chegar em propriedade rural que fica em Maracaju e onde o namorado trabalha e mora. No caminho que ela sempre faz, uma ponte estava caída e por isso pediu ajuda ao parceiro para fazer uma rota alternativa. Como ela desconhecia essa nova opção, acabou perdendo-se e ficou com o carro atolado.

Na primeira noite, a de quarta-feira, ela dormiu dentro do Gol vermelho. Logo pela manhã do dia seguite, decidiu seguir a pé para pedir ajuda. Escolheu uma trilha e acabou ficando perdida.

"Nunca é recomendado pegar trilha porque a vegetação é muito repetitiva e a possibilidade de se perder é muito grande", comentou o tenente dos Bombeiros.

A empresária ficou rodando em círculos durante toda a quinta-feira e o seu quadro de diabetes, aliada à falta de alimentação e ingestão de líquido deixou a saúde dela fragilizada. Por isso, não conseguiu retornar ao carro.

Ao mesmo tempo, cinco bombeiros de Sidrolândia passaram a fazer varreduras na tentativa de localizá-la. Na sexta-feira, foi incluído no auxílio o uso de helicóptero da Polícia Militar e cães farejadores do Batalhão de Operações Especiais (Bope), principalmente depois que o carro dela foi encontrado atolado, no início da tarde de ontem.

CÍRCULO VICIOSO

O tenente dos Bombeiros, Antônio Francelino, explicou que as condições estressantes da situação inviabilizaram que a empresária conseguisse salvar-se sozinha.

"A situação de pânico e a busca por socorro fazem com que o julgamento da pessoa fique prejudicado e ela passa a tomar medidas equivocadas", explicou o oficial.

Depois de socorrida, Thais foi levada para o Hospital Municipal de Sidrolândia  para os primeiros socorros.

ORIENTAÇÕES

Os Bombeiros orientaram que em condições como essa, as pessoas nunca devem acessar estradas que não conhecem e evitar vias de terra que têm muitas bifurcações.

Também é ideal que as pessoas estabeleçam horários de comunicação com mais de um parente e/ou amigo. No caso de se perder, o melhor é permanecer em local onde há fluxo de veículos para pedir socorro.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Voltar
©2017 Correio do Estado S/A. Todos os Direitos Reservados.
Plataforma
Versão Clássica