EM BRASÍLIA

Em reunião com secretários, ministro da Saúde não garante repasse de R$ 67 mi

Prefeitura pleiteia repasse anual de R$ 67 milhões para média e alta complexidade

1 FEV 2017 Por GLAUCEA VACCARI E CLODOALDO SILVA, DE BRASÍLIA 20h:08
Secretários de Saúde e Finanças se reuniram com ministro da saúde Secretários de Saúde e Finanças se reuniram com ministro da saúde

Secretários municipais de Saúde, Marcelo Vilela, e de Finanças e Planejamento, Pedro Pedrossian Neto, se reuniram hoje com o ministro da Saúde, Ricardo Barros, para tentar aumento de R$ 67 milhões no teto da média e alta complexidade (MAC). Ministro pediu série de providências, mas não deu garantia de que haverá aumento no repasse para a área. 

Além do pedido de ampliação no teto, também foi pedido aumento de prazo para término de obras que tiveram projetos iniciados e recursos liberados, mas não tiveram encaminhamento e, por este motivo, há o risco da perda do repasse federal.

Atualmente, 57 processos de construção, reforma e ampliação na área da saúde estão parados, sendo 43 relativos a readequação de Unidades Básicas de Saúde (UBS), Centros Regionais de Saúde (CRS) e Unidades Básicas de Saúde da Família (UBSF).

Quanto ao repasse destinado aos procedimentos de média e alta complexidade, secretário de Saúde informou que ampliação irá possibilitar suporte financeiro maior aos hospitais conveniados com a prefeitura, como a Santa Casa e Hospital Universitário.

Vilela disse que ministro vai estudar as reivindicações e prefeitura deverá fazer alguns ajustes para a ampliação do recurso, mas que não foi dada nenhuma garantia.

“A gente veio se inteirar, conversar com a diretoria de saúde e o ministro para tocar o barco a partir de agora. A gente sai com um pouco de esperança, mas tem que aguardar”, disse o secretário.

Pedrossian Neto explicou ao Correio do Estado que repasse anual de R$ 67 milhões pleiteado pela prefeitura é recurso novo relativo ao aumento da chamada produção hospitalar e ambulatorial.

“Conseguimos demonstrar pelas nossas contas que houve esse aumento da produção e nós viemos apresentar esse aumento e solicitar contrapartida do governo federal. O que a gente precisa agora é aproximar esses números, que os nossos não estão batendo exatamente com os números do governo, mas nas próximas semanas vamos afinar isso”, disse.

Secretário de Finanças também afirmou que ministro não deu garantias do aumento no repasse e que prefeitura precisará fazer ajustes, mas não detalhou quais seriam estes ajustes.

“Há dever que casa que nós como governo precisamos fazer, encaminhamentos técnicos dos projetos. Ministro sinalizou que portas estão abertas, mas tem longo caminho que precisamos trabalhar para que o recurso seja disponibilizado”, afirmou Pedrossian Neto.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

Voltar
©2017 Correio do Estado S/A. Todos os Direitos Reservados.
Plataforma
Versão Clássica